domingo, 15 de junho de 2008

BIOLOGIA NAS ESCOLAS

Biodiversidade incrível! Uma imensa floresta com animais inquietos e prontos para atacar. Isso também é conhecido como ESCOLA.

Atualmente, nossos estudantes estão muito bem divididos em espécies, gêneros, famílias, ordens, classes, filos e reinos. Estudaremos então a taxonomia de um colégio. São divididos em várias espécies – conjunto de organismos semelhantes unidos por laços de afinidade, coisas em comum – essas espécies tentam, a qualquer custo, transformá-lo em um deles para que possam criar um perfil no Orkut, chegar aos 999 amigos e finalmente serem obrigados a fazer um novo perfil e convidar para a rede de amigos as mesmas pessoas, o que é estranho e sem sentido (mas é assim que acontece!).

Retomemos então o estudo da taxonomia. Podemos encontrar vários gêneros: os emos, periguetes, CDFs, viciados em RPG, maloqueiros, boys, patricinhas, baladeiros, normaizinhos, popzinhos, alcoólicos-emaconhados, puxa-sacos, entre outros. Dentre essa maravilhosa variedade, encontramos um grupo – o grupo “Top” – o grupo superior e repressor; são eles que nos deixam a sensação de estarmos habitados por um Balantidium coli*. Esse grupo também é conhecido como corpo docente.

Para entender melhor essa “coisa” de grupos, tomaremos como exemplo os emos, que se proliferam a cada instante, sem perigo de extinção. Penso que a formação desses se dá pela revolta de jovens que também querem demonstrar seus sentimentos de modo diferente (bem diferente...), sendo mais emotivos e também mais emocionados.

Levando em conta que o homem precisa viver em sociedade e procura estar sempre perto daqueles com quem tenha mais afinidades, que esse zoológico chamado escola não o impeça de manter a sua autenticidade!



*Balantidium coli – protista ciliado causador da balantidiose (infecção que se manifesta com febre, náuseas, vômito e diarréia).

2 comentários:

daniel disse...

Parece que tudo evolui, exceto a selva que é a escola. Anos ruins, lembranças ruins... Não é à toa que tem uns malucos que atiram em todo mundo.

Carlitos disse...

Ainda bem q minha fase já passou, pois a casa dia que passa as pessoas ficam mais e mais estranhas.